Error message here!

Error message here!

Esqueceu-se password?

Perdeu a password? Introduza o seu endereço de email. Irá receber um link para criar uma nova password.

Error message here!

Voltar ao login

MainzAlemanha
AlemanhaBorussia Dortmund
Huddersfield TownInglaterra
InglaterraChelsea
FC GroningenHolanda
HolandaPSV
Visão de jogo
Pedro Silva
2017/10/04 15:42
E0
Espaço de análise da actualidade desportiva, onde o comportamento, a emoção e a razão têm lugar privilegiado. Uma visão diferente sobre o jogo, para que o jogo seja diferente.

Nos vários setores, do desporto ao trabalho, da arte à ciência, acredito nesta máxima: não ignorar sintomas quando se ganha; não pôr tudo em causa quando se perde.

É particularmente difícil, mas igualmente importante, porque o envolvimento emocional, em cada vitória ou derrota, reduz a clarividência e leva-nos a ignorar sinais. Por vezes, acontece outro fenómeno em simultâneo: demoramos a perceber os sintomas e isso leva a um atraso na melhor resposta.

Vem isto a propósito do início de época do Benfica, que vive um momento delicado, fruto de exibições fracas e resultados negativos. O Benfica está mais fraco, é inegável. Custe o que custar, são os mesmos números de que Rui Vitória se socorreu para poder ver o copo meio-cheio, que reforçam que o copo está meio-vazio.

Na época passada, à 8ª jornada, o Benfica era líder isolado com 22 pontos; nesta época, é terceiro com 17. Há um ano, tinha mais golos marcados, menos sofridos e ainda não tinha perdido para a Liga. Obviamente, hoje o cenário é pior.

Coincidentemente, os números revelam outro facto importante: Porto e Sporting estão mais fortes. Ambos têm mais pontos, melhores classificações e ainda não perderam.

Resumindo: estão melhores quando comparados consigo próprios e melhores quando comparados com o campeão em título.

Esta é apenas a realidade dos números, do ponto de vista objetivo e quantitativo.

Na perspetiva qualitativa, a diferença continua e é maior. Júlio César, ou Varela, não são Ederson. André Almeida não é Semedo. Jardel não é Lindelof… etc… É demasiado óbvio. O Benfica joga pouco. Faltam ideias, dinâmica e confiança. Quando falta tudo isto mas há resultados, passa-se entre as gotas da chuva. Quando falta tudo isto e não há resultados, há que parar para pensar.

Se o futebol é o momento, que momento é este que o Benfica vive? A que se deve? A quem se deve?

“Será chuva? Será gente? Gente não é certamente e a chuva não bate assim.” – Balada da Neve, Augusto Gil.

É uma crise? É uma fase? Boa não é certamente e os campeões não se fazem assim.

-

O Professor Doutor José Soares, catedrático da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto na área da Fisiologia, é um homem atento ao fenómeno do desporto e, com o seu conhecimento, consegue encontrar uma ligação direta entre este, a sociedade e a sua área de especialização, a saúde. No seu livro “A empresa como organismo vivo”, de forma simples mas cientificamente suportada, apresenta algumas analogias que podem ajudar a perceber melhor o momento do Benfica:  

“O nosso organismo tem uma resistência e uma capacidade de adaptação impressionantes. Todavia, elas não são definitivas. Normalmente o corpo avisa-nos (sinais e sintomas) do que pode acontecer quando algo está a ir mal (fatores de risco). As organizações funcionam da mesma forma. Estão sistematicamente a enviar-nos mensagens de bem-estar, de mal-estar, de desconforto, de dor, de morte iminente. (…) Só que, para nos apercebermos do que quer que seja, temos de os conhecer. (…) Para os valorizarmos, temos de os conhecer e reconhecer. (…) Mas, tal como no corpo, também nas organizações raramente há apenas um sinal ou sintoma preocupante. É o conjunto e a interação dos sintomas que são prejudiciais.”

O Benfica tem, na sua estrutura diretiva, na sua equipa técnica e no seu plantel, pessoas competentes e experientes mais do que o suficiente para reconhecer estes sintomas. Têm essa capacidade e essa responsabilidade.  

Mas a verdade é que não o fizeram, ou pelo menos não o fizeram de forma concertada, prática e eficaz. Não reconheceram os sintomas próprios (menor qualidade na equipa e perda de jogadores-chave) nem os fatores de risco agravantes (os concorrentes mudaram para melhor).

Na pré-época, dizia Rui Vitória: “Uma das coisas que, se calhar, levamos de avanço em relação à maioria das equipas, e que já há muito tempo que eu falo nisto, é que antecipamos muito os cenários.”

Na teoria, totalmente correto. Na prática, não podia ser mais errado. Com maiores responsabilidades diretivas, técnicas ou operacionais, o Benfica começou uma época que lhe pode dar um feito único na sua história, ao conquistar o seu primeiro penta e igualar o feito do Porto, de calças na mão. Ainda vai a tempo mas não está no caminho certo.

Quando é diagnosticada uma doença grave a alguém, é frequente pessoas questionarem-se de onde veio a doença, que sinais deu e possam ter sido ignorados. É nesse momento que se recordam de pequenos sintomas que, desvalorizados na altura, hoje fazem todo o sentido.

Desde a época passada que o Benfica apresenta sintomas do que se está a passar. Em muitos jogos, o Benfica apresentou uma supremacia coletiva inquestionável. Noutros, o talento individual disfarçou as limitações coletivas e é suposto ser assim, é para isso que se contratam os melhores. Com o aproximar do fim da época, foi cada vez mais o talento individual a aparecer e menos o processo coletivo. No início desta época foi mais do mesmo, com a agravante de já cá não estarem alguns dos que tinham o maior talento. Até aos dias de hoje, os sintomas agravaram-se, a equipa joga cada vez menos e tem menos talento individual. Os jogadores são inferiores, a equipa joga pior, o clube ganha menos.

Do topo até à base, da SAD ao balneário, há um homem-chave para encetar a mudança que o Benfica precisa: Rui Vitória. Mas para o Benfica mudar, o treinador tem que mudar primeiro. É ele, em grande parte, responsável pelo momento e é nele que tem de começar a mudança.

Rui Vitória chegou ao Benfica com todo o mérito, num percurso feito a pulso, com resultados bons e consistentes. Teve uma herança pesada, foi arrastado para a lama e de lá saiu digno vencedor. Ganhou como o antecessor mas acrescentou-lhe a promoção de jovens valores e afirmou a equipa na Europa, duas limitações apontadas a Jorge Jesus. Impôs-se naturalmente com a sua humildade, competência e resultados. Tem todo o mérito no que conquistou e mereceu-o.

Tudo isto é verdade, mas para ser a solução e não se tornar parte do problema, Rui Vitória tem de cair nele próprio… e os sinais que dá são de quem ainda está em negação. Este que temos hoje perante nós, não é o mesmo treinador que chegou e venceu. Nas últimas semanas tem revelado formas de estar, analisar e comunicar absolutamente desastrosas. No banco, parece perdido, prima por ações reativas em vez de proactivas e sente o chão a fugir-lhe debaixo dos pés: vê-se isso na sua expressão facial. Na relação com a imprensa, que sempre foi um dos seus pontos fortes, quer na forma quer no conteúdo, interpreta as questões (a maioria legítimas) como ameaças, altera rapidamente o tom, deixa jornalistas a falarem sozinhos em direto e abandona conferências de imprensa quando lhe apetece. Perante o inequívoco, desculpa-se com as estatísticas. Quando nem as estatísticas o salvam, atira para o lado, diz que em crise estão os outros que não ganham há anos. E quando é goleado e humilhado perante a Europa do futebol onde o Benfica tem história e onde ele teve bons resultados… diz: “São fases que vão passar”. Esta não pode ser resposta de um treinador de alto rendimento!

Pior que a doença é a negação da mesma ao longo do tempo. Este foi o mal do Benfica nos últimos meses e em particular nas últimas semanas. Para mudar, tem de reconhecer que algo não está bem, sem ter de pôr tudo em causa. Nesse momento poderá começar a mudança do Benfica. Quanto mais cedo o fizer, melhor para si mesmo. Aceitar, analisar, mudar, preparar, melhorar, melhorar, melhorar… não conheço outro caminho.

Rui Vitória será a peça nuclear nesta engrenagem. É ele que pode catapultar a equipa para essa mudança e retomar o caminho dos bons resultados e das boas exibições. Tem competência e experiência para isso, basta que aceite o atual momento, o compreenda e perceba qual é o seu papel.

É cedo, muito cedo, para eliminar candidatos ou para embandeirar em arco. O Benfica vai melhorar (só pode melhorar…) e vai voltar mais forte. Esta paragem do campeonato pode ser o momento certo para todos perceberem o buraco onde se meteram e para iniciarem a mudança.

Rui Vitória tem de ser o primeiro.

“Somos todos prisioneiros do passado. É difícil pensar nas coisas exceto da forma em que sempre pensámos nelas. Mas isso não resolve os problemas e raramente muda qualquer coisa.” Charles Handy



Comentários (0)
Gostaria de comentar? Basta registar-se!
Motivo:
OPINIÕES DO MESMO AUTOR
No final da semana passada decorreu uma iniciativa à qual tive o prazer de assistir e que merece ser partilhada, para ser refletida. O S.C. Braga, em particular o Departamento de ...
09-11-2017 14:03
Nos últimos dias, a nível nacional, muita tinta tem corrido sobre Guarda-Redes, de Casillas a José Sá, de Varela a Svilar - que se tornou o GR mais jovem de sempre ...
25-10-2017 13:31E2
Historicamente designada como a Prova Rainha, a Taça de Portugal teve este fim-de-semana mais uma fulgurante eliminatória, agora já com as equipas da Primeira Liga a entrarem ...
16-10-2017 15:41E1
Opinião
A preto e branco
Luís Cirilo Carvalho
Na Minha Secreta Área
Luís Rocha Rodrigues
A preto e branco
Luís Cirilo Carvalho
O meu mundo aos quadrados
José Pedro Pais
A preto e branco
Luís Cirilo Carvalho